Filosofia

A missão da FourC Bilingual Academy é:

“Formar cidadãos interessados e aptos para aprender para sempre e ensinar o outro”

Educar é despertar no homem a possibilidade de sua atuação plena, mediante a construção de conhecimento e a capacidade de pensar, consubstanciado pela geração anterior e acrescido por sua própria pelas novas descobertas e aplicações feitas. O homem educado transcende sua capacidade de vida e, ao mesmo tempo, eleva a condição do outro, quando coloca a serviço as capacidades que adquiriu. A FourC opta por esse sentido de educação transformadora e sustenta seu trabalho educativo em 4 fundamentos: o pensamento crítico, a colaboração, a cultura e a cidadania.

Cidadania

A cidadania, na FourC, toma um sentido de formação plena do potencial humano. Isso significa comprometer-se não somente com os direitos e deveres, mas, sobretudo, com o respeito, o sentido de pertença e de responsabilidade consigo e com o outro, com o seu ambiente e com o mundo.

A cidadania envolve o desenvolvimento de atitudes que são tomadas, levando-se em consideração os interesses coletivos que se sobrepõem aos individuais. A cidadania envolve a vontade e o desejo de fortalecer a harmonia da convivência e de estabelecer acordos e combinados integradores.

Em síntese, desenvolver a Cidadania é propiciar atitudes que geram envolvimento, participação e responsabilidade para garantir a formação de uma consciência de comprometimento com o outro e com o ambiente em situações vividas, sejam escolares, pessoais ou em sociedade.

Em síntese, nosso entendimento é de que cidadania vem revestida de um sentimento de pertença, ou seja, o cidadão faz parte de uma sociedade. Para a CIDADANIA, o interesse coletivo sobrepõe ao interesse individual; realiza-se na prática, ou seja, demanda ação, comportamento, atitude e promove o desenvolvimento da participação, ou seja, o cidadão se envolve, se engaja, se compromete na construção de sua sociedade.

Assim, para desenvolver o sentido de cidadania na formação de nossos alunos, precisamos promover oportunidades para que eles se sintam comprometidos com a sua turma, para que participem das decisões e dos planejamentos, para que desenvolvam comportamentos cidadãos e para que atuem conscientes da implicação que seus atos têm em seu grupo, em sua Escola, em sua sociedade.

Colaboração

A colaboração (co-laborare – trabalhar junto) é uma atitude essencial para a aprendizagem e é um dos fundamentos FourC. Todos são convidados a colaborar e a respeitar. Na colaboração aprende-se mais. Já há comprovação científica suficiente para se afirmar que a aprendizagem só acontece na interação com o outro. E a colaboração é o elemento essencial da interação. A colaboração ultrapassa o INDIVIDUAL e estabelece a PARCERIA.

Colaborar implica atitudes de abertura para o outro, como o respeito, a responsabilidade, a interação, a divergência, o consenso. A colaboração confirma aquilo que já sabemos – que não somos autossuficientes. Devemos sempre desenvolver a competência colaborativa para vivermos em sociedade.

Colaborar também significa comprometer-se com todo o processo de realização de uma atividade, desde o seu planejamento e organização até a limpeza e a finalização da tarefa. As decisões, as atitudes são tomadas como PROCESSO COLABORADOR que devem ser realizadas com um sentido integrador, inclusivo, sistêmico, de início e de fim, para se ter a dimensão do porquê, da abrangência e do potencial gerador resultante dessas mesmas decisões e atitudes.

Para desenvolver a colaboração, é necessário possibilitar o exercício diário do respeito e da convivência de grupo, é necessário favorecer um ambiente construído para a partilha, a consciência de pertencimento de grupo e a ação integralmente responsável.

Para Vygotsky (1993, p. 89), a colaboração entre pares durante a aprendizagem facilita o processo e contribui para o alcance de etapas mais elevadas do aprendizado do que se o mesmo ocorresse isoladamente. Segundo ele, “com o auxílio de outra pessoa, toda criança pode fazer mais do que faria sozinha [...] O que a criança é capaz de fazer hoje em cooperação, será capaz de fazer sozinha amanhã”. Em outras palavras, a colaboração potencializa e antecipa o processo de aprender do aluno. Em colaboração, cada integrante desenvolve competências individuais que não tinha no início.

A colaboração, na aprendizagem, promove o posicionamento ativo do aprendiz, uma vez que ele é responsável por compartilhar o que sabe e para aprender com seus pares aquilo que ainda não sabe. E há uma resposta positiva do aluno para essa forma de aprender, pois confere a ele a co-responsabilidade no processo. Ele torna-se ativo e não passivo.

Cultura

Ao invés de mudar, ao longo do tempo, as suas características biológicas para adaptar-se ao ambiente, o homem construiu aparatos para modificar o ambiente e aí poder fazer o seu habitat. Construiu casas, revestiu-se de roupas, inventou máquinas, equipou-se de aparelhos sofisticados e criou a mais importante ferramenta para deixar todo o legado aos seus descendentes: a comunicação. A tudo isso chamamos CULTURA.

Porém, cada civilização, cada sociedade se diversificou na construção desses significados. Por exemplo, o que é permitido em determinada sociedade, pode ser proibido em outra. O que é sagrado para uma, pode ser profano para outra. E é este ponto que mais nos interessa na construção de nosso pilar educativo: a DIVERSIDADE CULTURAL, o entendimento, o respeito e a valorização do que foi construído por cada sociedade.

Para a FourC, desenvolver o sentido da Cultura significa trabalhar para o entendimento e a valorização da riqueza e da diversidade humana. Cultura é mais que evolução histórica de valores, crenças e costumes, importam, sobretudo, a interação e a aprendizagem advindas da socialização de experiências e de saberes acumulados. Adquirir Cultura é valorizar a amplitude do conhecimento e respeitar posicionamentos, momentos, situações e lugares onde foi criada.

Também estão incluídas nessas aprendizagens culturais todas as expressões das artes – música, teatro, dança, pintura etc. – para o enriquecimento das experiências, do conhecimento e das expressões do educando. Ademais, as expressões artísticas também possibilitam o desenvolvimento das múltiplas inteligências.

É pelas artes que também compreendemos o olhar do outro. As artes nos dão as ferramentas para a empatia com as opiniões e as expressões dos artistas e com o seu mundo. Pelas artes conseguimos entender o autor, seu tempo, suas circunstâncias.

E ainda, para o entendimento da Cultura, valorizamos a aquisição e a compreensão de línguas. A aquisição de uma nova língua toma o sentido universal de cultura, ao aproximar o estudante de outros conhecimentos, abrindo portas para o entendimento de mundo e o respeito à diversidade. O fato de apropriar-se de outra língua já predispõe o aluno ao conhecimento dessa cultura e ao respeito pelo que ela representa. Cultura, então, torna-se propulsora de comportamentos, de construções sociais, de identidade, de posicionamento diante do mundo e de sua transformação.

Pensamento Crítico

Por natureza, pensar é um ato complexo. Ao deparar-se com o mundo, inicia-se um diálogo interno e uma tentativa de entendimento e de compreensão. Também inicia-se a contemplação e algumas observações. O pensamento crítico é a próxima etapa desse pensamento, quando, ao iniciar este diálogo, nascem as perguntas, a suspeita para o que está sendo posto, a inquietação e a curiosidade, provocando o desejo de um entendimento mais abrangente e satisfatório, de uma busca de explicações e de uma criação de novas possibilidades e de alternativas. A inquietação é essencial para o pensamento crítico.

Para desenvolver o pensamento crítico é preciso construir um conhecimento com a habilidade de síntese, a aplicação e a disposição para usá-lo em novas circunstâncias. Aprender a pensar tem uma ligação direta com o mundo ao seu redor. O desenvolvimento do pensamento crítico, mediante o diálogo, a argumentação, a colocação de pontos de vista, a tomada de decisão, permite ultrapassar a percepção da realidade, resultando numa ação transformadora.

O pensamento crítico gera um posicionamento proativo e uma consciência de responsabilidade na forma de lidar com a vida e com os seus problemas. O PENSAMENTO CRÍTICO desenvolve a capacidade de análise, de avaliação, de questionamento, de investigação, de divergência, de argumentação, de experimentação e de busca. O PENSAMENTO CRÍTICO promove a própria capacidade complexa de pensar.

Pensamento crítico, para nós, representa a capacidade de reflexão e de questionamento para o favorecimento de uma convivência harmoniosa do grupo. Isso significa questionar, refletir, entrar em desacordo e criar consenso, mediar, ponderar, decidir em favor do coletivo.

Para desenvolver o pensamento crítico nos alunos, promovemos o exercício de conscientização de suas escolhas ao agir, ao tomar uma decisão, ao reagir. Pensamento crítico também envolve ter consciência de seus atos e fazer a reflexão de suas atitudes e de suas opções para o constante crescimento pessoal.